segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Linkin Park 1 mês

12/10/2012 Foi o dia o qual por muitos anos aguardei ansiosamente por chegar, o qual pensei que jamais aconteceria, se tornaria realidade, mas o sonho sempre se manteve.

Cerca de 8 anos que sou fã do Linkin Park e nesse tempo muita coisa aconteceu, meu cabelo cresceu, eu amadureci, meu cabelo diminuiu, eu amei, chorei, amo de novo e sou feliz, meu time perdeu, ganhou, sai do colégio, amigos se foram e vieram, e o Linkin Park sempre em meus ouvidos.

Acompanhei o amadurecimento da banda, algo que só me alegrou, pois só o LP faz esse tipo de som e deixou de ser algo mais adolescente pra um som e letras mais maduras, acompanhando o envelhecer dos integrantes (e seus fãs, conquistando novos).

O dia foi cansativo, passar um feriado inteiro de pé, numa fila gigante e espremido entre desconhecidos durante horas, tudo por "apenas" 1h e 30 minutos de show, que valem cada centavo e todos esses mais de 8 anos de admiração.

Foi lindo, mágico, emocionante, ver meus ídolos há cerca de 3..4 metros de distância e ter aqueles pensamentos de "Bah, eles existem mesmo, são de verdade", que te deixa abobalhado. Escuto o áudio do show e lembro de cada momento, que vai estar eternizado em minha memória, foi demais, o show da MINHA banda favorita, o que sempre sonhei, com certeza entre as 3 noites mais especiais da minha vida.

Pode tudo parecer bobagem, mas o quanto amo essa banda é como se fosse o Grêmio, a experiência de ir a um show da tua banda favorita e ver mais de 10 mil pessoas cantando junto, e ver que tu não é o único que gosta, sabe todas as letras e manhas da banda, te enche de orgulho e comprova que tu não é nenhum louco, ou ao contrário, é mais um louco.

12 de Outubro, inesquecível, hoje faz 1 mês e parece que foi ontem.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Living Things


Chegou finalmente o dia! O esperado dia 26 de Junho, lançamento oficial de "Living Things", o quinto álbum de estúdio do Linkin Park.
Como não é novidade nos dias de hoje, os CD's sempre acabam vazando antes para download, e como fã, não me aguentei, baixei e estou há 10 dias escutando sem parar. Obviamente, comprei-o na pré venda, e amanhã estará em minhas mãos.
Pela primeira vez, o álbum é o que haviam prometido e analistas de música falaram, é um
álbum bem mais rock, comparado ao "A Thousand Suns", Somente uma música instrumental, um som mais pesado e eletrônico, bem mais familiar.
Algumas músicas que visivelmente virarão hits, como "Lost in the Echo", "I'll be gone" e "Powerless", juntamente das duas já conhecidas, "Burn it Down" e "Lies Greed Misery", são músicas bem trabalhadas, tanto nas letras como na sonoridade, "I'll be gone" e "Powerless" na minha opinião, duas baladinhas boas para se escutar dirigindo.

Minha análise, música por música:

1- Lost in the Echo: Abrindo o cd em grande estilo, uma música bem forte, guitarra pesada, rap do Shinoda, umas elevadas, e o refrão bem ao estilo Linkin Park, comandado pelo Chester e com gritos. Uma das minhas favoritas.

2- In My Remains: Começa com alguns scratches e uma guitarra bem interessante, Chester canta com uma batidinha ao fundo estilo "Shadow of the Day", o refrão tem a volta da guitarra, e a música alterna entre momentos calmos e mais agitados com guitarra, e uma introdução de Mike na metade. A letra muito bonita.

3- Burn it Down: Já foi analisada e é conhecida, tem até videoclipe.

4- Lies Greed Misery: Inicia com fortes batidas, e um rap eletrônico do Mike, seguidos de refrões gritados por Chester, a música se alterna assim, com batidas fortes, até a gritaria empolgante do final, melhor que a de "Faint", digna de uma roda.

5- I'll Be Gone: Outra música que tem como inicio uma guitarra bem legal, Chester cantando calmamente, a música vai embalando, até o pré-refrão e estora no refrão, nada de gritaria, música com instrumental muito bom, vocal perfeito e letra MUITO bonita. Coloco-a entre as TOP 10 do LP.

6- Castle of Glass: A mais diferente, começa um teclado, e Mike cantando calmo, lembra "Hands Held High", com algumas batidas, mais além ela dá uma embalada, e fica mais animada. Chester faz papel de segunda voz, quase toda é cantada pelo Mike.

7- Victimized: A música mais louca do cd, a mais curta. Um punk rock eletronico, se é que existe isso, batidas rapidas, gritaria alucinante do Chester, guitarras muito pesadas, sintetizador, alguns versos de rap do Mike, mas o predomínio de MUITA GRITARIA do Chester, que faz parecer "Given Up" não tão pesada.

8- Roads Untraveled: Começa com um piano e uns barulhos "cristalinos", Mike cantando bem calmo, a música segue assim até a metade onde entra Chester com um coro mais embalado, e volta a calmaria, agora com Chester e Mike ao fundo, ao final a música fica mais agitada e com guitarras.

9- Skin to Bone: Diferencia um pouco do que foi o cd até aqui, com batidas graves, é mais um rap do Mike, a batida é empolgante e meio eletrônica, com coros do Chester ao meio, alterna entre momentos calmos e um pouco mais agitados.

10- Until it Breaks: Lembram do Fort Minor? Parece uma música da banda paralela do Mike, bem rap, com um batidão bem grave e elementos eletrônicos. Na metade Chester entra, Mike instensifica a batida. Mais pro fim a música muda a água pro vinho, tem até um coral ao fundo (esse sim, lembra muito Hands Held High), e termina assim calma.

11- Tinfoil: É a única (graças a Deus) instrumental, é uma introdução de Powerless.

12- Powerless: Como revelada antes, ela é a candidata a nova "Numb", até pela posição no cd, o modo calmo da música, música profunda, letra mais ainda. Uma das melhores músicas do cd, se não a melhor. Me marcou bastante.

Considerações finais: O álbum está muito bom mesmo, Linkin Park conseguiu apagar a imagem do fraco trabalho de 2010 (ao meu ver), onde fugiu um pouco de si próprio, e retomou algo que é a mistura perfeita do velho (até 2005) e o Verdadeiro (pós 2006) Linkin Park. Músicas mais pesadas, pouca melação e muita musicalidade, não tem coisas viajantes nem traços de New Metal. Espero que a banda seja muito premiada, pois o CD tem muito pra vender e bem.
Ansioso pela chegada do meu, juntamente com a camiseta promocional.

domingo, 27 de maio de 2012

O Velho Linkin Park

E depois de cerca de 10 meses, o Linkin Park voltou à turnê. Exatamente há 1 mês da estreia do 5º álbum inédito (26 de junho), a banda voltou aos palcos no Rock in Rio Lisboa, primeiro da série de shows que a banda fará nos grandes festivais da/do primavera/verão europeu.
O show, que foi transmitido ao vivo via internet, me agradou demasiadamente. Primeiro pela show limpo que a banda estadunidense mostrou, sem efeitos de voz destorcida, sem os "psicodelismos" que havia na última turnê presentes no último álbum (A Thousand Suns). Um show bem mais rock, mais com cara de Minutes to Midnight, tanto no estilo das músicas do setlist como no vestuário dos integrantes.
O Linkin Park hoje definitivamente amadureceu, a mudança drástica que houve em 2007, a partir de Minutes to Midnight, fez a banda abrir o leque de opções para o futuro, seus
integrantes não são mais gurizinhos, maioria beirando os 40 anos, músicas com letras mais maduras, o estilo deles e o público alvo, que cresce, amadurece e conquista mais, juntamente com a banda.
Evolução do Mike Shinoda como produtor e compositor, a adaptação do Chester á sua voz, a musicalidade emplacada por Phoenix, Brad e Rob elevou muito a qualidade do som, juntamente ligada aos efeitos sonoros produzidos por Joe Hahn e também nos clipes dirigidos por ele. Ou seja, o Linkin park evolui dentro de si, e resgata aquele velho LP que empolga, contagia em todos os minutos do show.
Em relação ao novo álbum, as duas únicas músicas que a banda revelou são bem a sua nova cara, mantendo uma identidade mais agressiva e mais madura, inovando, o Linkin Park ainda é um som único, tenho boas expectativas para este CD (Living Things) apesar de não ter me agradado ter apenas 36 minutos de músicas. O Melhor é torcer para valer a pena, aposto nele como um ótimo CD a nível do Meteora (2003), o qual ao meu ver é o melhor já feito pela banda.


Abaixo, o show completo no Rock in Rio Lisboa 2012, 26 de Maio.